Facebook Twitter RSS

Notícia

Versão para impressão
A-
A+


23/05/2020

UMA BREVE HISTÓRIA DA ECONOMIA LEITEIRA

No Brasil, a origem do leite para consumo humano e utilização nas indústrias está relacionada com a introdução do gado europeu por Martim Afonso de Souza (32 cabeças em 1532) na Capitania de São Vicente (SP), durante o período colonial. O processo de pasteurização (Pasteur-1864) foi sugerido para ser usado no tratamento do leite em 1886 pelo químico e microbiologista alemão Franz von Soxhlet.

UMA BREVE HISTÓRIA DA ECONOMIA LEITEIRA*
O pesquisador e historiador Leopoldo Costa, autor do livro “A História do Leite,” registra que achados históricos mostram evidências da domesticação do gado na Mesopotâmia há 8.000 anos a.C, inicialmente para fornecer carne e força animal. Quanto ao registro da produção de leite, pinturas rupestres datadas de 5.000 anos a.C foram encontradas em Dahara/Líbia e mostram vacas confinadas para produção de leite e queijo, embora o leite de vaca, cabra e ovelha fossem consumidos durante a pré-história.
Na Idade Antiga (3.500 a.C - 476 d.C) há citações do consumo e utilização do leite de égua no preparo de pão com grãos cozidos e saboreado ainda quente no Egito (Heródoto 484-425 a.C).
No Brasil, a origem do leite para consumo humano e utilização nas indústrias está relacionada com a introdução do gado europeu por Martim Afonso de Souza (32 cabeças em 1532) na Capitania de São Vicente (SP), durante o período colonial. O processo de pasteurização (Pasteur-1864) foi sugerido para ser usado no tratamento do leite em 1886 pelo químico e microbiologista alemão Franz von Soxhlet.
Em 1918, o bioquímico norte-americano Elmer Verner McCollun, pioneiro na vitaminologia, havia declarado o leite de vaca o mais importante dos “alimentos protetores” e recomendando não faltar na nutrição humana de crianças e adultos, devido seu alto valor em sais minerais, vitaminas e proteínas.
E mais, a indústria de laticínios no Brasil teve início em Barbacena(MG), no ano de 1888, com a inauguração da Fábrica de Laticínios “Mantiqueira” de propriedade do médico e fazendeiro Dr. Carlos Pereira de Sá Fortes, pioneira no País e na América Latina, na fabricação de queijos e manteiga, com importação de maquinário e tecnologia holandesa. Dados históricos no ano de 1300 registram cerca de 70 mil pequenas propriedades holandesas dedicando-se à produção de leite e queijo (Leopoldo Costa – História do Leite).  
Faz-se justo registrar, nessa breve sequência histórica, a criação Instituto de Laticínios “Cândido Tostes” em Juiz de Fora (MG) no ano de 1935, pioneiro no Brasil e na América Latina, há tempos vinculado à Epamig/Seapa, e atuando na sólida formação de técnicos laticinistas, qualificados, e prestando serviços nas empresas públicas, privadas, governos, consultorias, pesquisa, ensino e extensão! Cândido Tostes (1842-1927), bacharel em Direito, foi considerado, à época, o “Rei do Café” de Minas Gerais (Epamig).
Nesses cenários, em 1976 é criado o Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Leite em Coronel Pacheco (MG), sendo transferido para Juiz de Fora a sede administrativa e de pesquisa em 1997, já se chamando Embrapa Gado de Leite (mas continuando em Coronel Pacheco o campo experimental José Henrique Brush, homenagem que lhe foi prestada em 2010), constituindo-se, portanto, num “Centro de Excelência” na pesquisa e desenvolvimento de tecnologias para a economia leiteira do Brasil.
E mais, Minas Gerais é o 1º produtor nacional de leite e seus derivados, implicando num conjunto dinâmico de atividades aliadas às exigências quanto aos mercados, pesquisas, relação custo/benefício, difusão e adoção de inovações, plataformas digitais, gestão para resultados, e com ganhos sequentes de produção, produtividade e qualidade. A pesquisa deve ser uma “janela aberta” para o mundo!
“Além disso, nessa panorâmica limitada, entre 2002 e 2018 o rebanho bovino brasileiro passou de 185,3 milhões de cabeças para 213,5 milhões (15,2%); e o de Minas Gerais, no mesmo período, de 20,6 milhões de cabeças para 21,8 milhões (4,8%), menor que a média nacional. Os três maiores rebanhos no País são; Mato Grosso (1º), com 30,1 milhões de cabeças; Goiás (2º), 22,6 milhões de cabeças; e Minas Gerais (3º lugar), com 21,8 milhões de cabeças.”
“Em 2018, segundo as mesmas fontes, a distribuição geográfica por região do rebanho bovino mineiro tinha essa configuração estadual; Triângulo Mineiro, com 16%; Sul de Minas, 12%; Central e Norte de Minas (10%); Jequitinhonha e Mucuri; Rio Doce; Centro-Oeste, todas com 9%; Alto Paranaíba e Zona da Mata, com 7%.
E mais, a distribuição regional de vacas ordenhadas tinha esse perfil estadual, aqui resumindo as principais; Sul de Minas, com 488 mil cabeças; Central, 415,3 mil; Alto Paranaíba, 362 mil; Rio Doce, 361,4 mil; Centro-Oeste, 314,4 mil; e Zona da Mata, com 309,6 mil cabeças.
“Em 2018, os maiores rebanhos de vacas ordenhadas por município estão nessa ordem; Patos de Minas, com 45,1 mil cabeças (1º lugar); Prata, 45 mil (2º lugar); e Unaí, com 39,8 mil cabeças (3º lugar). Entretanto, ressaltem-se que os três municípios com maior produção de leite são; Patos de Minas, com 192,9 milhões de litros anuais (1º lugar); Patrocínio, 148,4 milhões (2º lugar); e Coromandel, com 123 milhões de litros (3º lugar).
Esses três municípios estão no Alto Paranaíba, onde média regional por vaca/lactação/ano é de 4.243 litros, e a média estadual de 2.840 litros (média de 305 dias/ano/2018) ou 49,4% para mais. No Centro-Oeste é de 3.357 litros; e no Sul de Minas, 3.238 litros. Com relação à distribuição regional da produção de leite destacam-se; Sul de Minas, com 1,58 bilhão de litros, (1º lugar); Alto Paranaíba, 1,53 bilhão de litros (2º lugar); Central, 1,28 bilhão (3º lugar); e Centro-Oeste, com 1,05 bilhão, e a Zona da Mata produziu 768,3 milhões de litros de leite.
Também em 2018, o ranking da produção nacional de leite estava assim configurado; Minas Gerais, com 8,9 bilhões de litros (1º lugar) Rio Grande do Sul, 4,3 bilhões (2º lugar); e Goiás, com 3,0 bilhões de litros (3º lugar); somando 34,5% da produção nacional naquele ano de 2018, que atingiu 33,8 bilhões de litros” “Entre 2002 e 2018, a produção de leite no País passou de 21,6 bilhões de litros para 33,8 bilhões (56,4%); e a produção mineira evoluiu de 6,2 bilhões de litros de leite em 2002 para 8,9 bilhões em 2018 (43,5%); segundo dados reunidos pelo IBGE/PPM/Mdic/Bovinocultura de Leite e Corte/janeiro de 2020/Seapa, sendo as fontes básicas deste artigo sobre o leite.
O agronegócio do leite mineiro e nacional, com base nessa matéria-prima, se desdobra em bilhões de reais do campo à mesa do consumidor e nas exportações, oferecendo dezenas de produtos como o leite fluído, agro industrializado, bem como a exigir uma vigorosa logística operacional de vendas por vias internas para um público potencial de 211,1 milhões de brasileiros de todas as idades, dos quais 179,4 milhões vivem nas cidades e regiões metropolitanas (IBGE).
Segundo a Organização das Cooperativas do Estado de Minas Gerais (Ocemg), em 2018, as 193 cooperativas agropecuárias somaram 169,7 mil cooperados; 15,7 mil trabalhadores formais; receberam 19,57% do leite produzido no Estado ou 1,75 bilhão de litros/ano, movimentaram R$ 20,7 bilhões; empregam ainda 697 profissionais para regular atendimento técnico aos produtores; responderam por 10,4% do PIB do agronegócio mineiro naquele ano; e representaram 38,6% da movimentação econômica de todos os segmentos do  cooperativismo mineiro em 2018.
Embora os dados ainda não estejam mais atualizados, havia 771 laticínios em Minas Gerais, sendo que essa era a distribuição mais importante: Sul de Minas, com 27,6%; Zona da Mata, com 17,9%; Central, 15,0%; e Centro-Oeste, com 9,8%, totalizando 50,3% (Silemg).Em 2019, as exportações de leite e lácteos foram de US$ 16,5 milhões, em nível estadual, e de US$ 57,4 milhões no Brasil (Seapa/Mdic).
Além disso e segundo o engenheiro agrônomo (MS) José Alberto de Ávila Pires, coordenador estadual de Bovinocultura da Emater-MG, “as inovações tecnológicas geradas pela pesquisa agropecuária e agregadas à produção de leite, compartilhadas com os produtores rurais, devem gerar ganhos genéticos, nutricionais e de manejo correto dos rebanhos, e no atendimento de novas demandas técnicas!
E mais, acelerando o processo de difusão de inovações no campo e associando-se como objetivos permanentes ganhos de produtividade, qualidade, com lucratividade, o que se configura num desempenho integrado e sinérgico entre produtores, pesquisadores, extensionistas, entidades de classe, cooperativas, sindicatos, e agro indústrias!
Ainda segundo Ávila, em 2019 o Brasil confinou 5,26 milhões de bois, sendo que os pecuaristas mineiros confinaram 550 mil. O PIB do agro brasileiro de jan/fev de 2020 cresce 2,42% ou R$ 42 bilhões, sendo a pecuária com R$ 27 bilhões e agrícola, R$ 15 bilhões (Cepea/USP).”
Em 2019, o superávit nas exportações do agronegócio brasileiro foi de US$ 83,02 bilhões (MAPA); um desempenho considerável! No 1º quadrimestre de 2020, o saldo apurado nas exportações do agronegócio mineiro foi de US$ 2,18 bilhões ou 48% do saldo da balança estadual (Seapa).
*Engºs agrºs José Alberto Ávila Pires (MS) e Benjamin Salles Duarte, maio 2020.
Nota histórica; em 1949, a antiga ACAR, à época dirigida por uma “Junta Administrativa” estabeleceu, entre outras prioridades na sua missão extensionista, a difusão de capineira para alimentação do gado na seca; no uso do silo-trincheira e plantio do milho híbrido. A ACAR/Emater-MG é parte indissociável da história da agropecuária mineira e do bem-estar social nas propriedades assistidas.
 


Fonte: O Autor



Publicidade


Deixe seu comentário no espaço abaixo ou clique aqui e fale conosco.


Nome: Email (não aparecerá no site):




Comentário(s) (0)


CIFlorestas disse:

14/08/2020 às 15:34

Nenhum comentário enviado até o momento.

Novidades do Site


Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

A melhor maneira de realizar os seus sonhos é acordar.
Paul Valéry

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


312 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey