Facebook Twitter RSS

Manejo de Florestas Naturais

 1. Conceito

 A definição técnica de manejo florestal corresponde a “administração da floresta para a obtenção de benefícios econômicos e sociais, respeitando-se os mecanismos de sustentação do ecossistema objeto do manejo (Decreto no. 1182/94)”.
 
 
Fez se necessário na década de 90, a partir do incremento da certificação florestal, expressar o conceito de manejo florestal sustentável de forma prática tornando possível sua avaliação e replicação. Passou a ser empregado o termo "bom manejo florestal, que representa as melhores práticas de manejo, capazes de promover a conservação ambiental e a melhoria da qualidade de vida das comunidades locais, considerando a viabilidade econômica e o estado da arte do conhecimento científico e tradicional” (VIANA citado por HUMMEL, 2001).
 
Atualmente a definição de Manejo Florestal passou a ser entendida, além de seu aspecto técnico, no sentido de orientar a atividade do homem e das futuras gerações com base no desenvolvimento sustentável. Indo além do fluxo contínuo de produtos, incluindo comprometimento com códigos de ética em relação ao progresso. Destaca-se a definição de Camino (2000):
 
“O manejo e o uso florestal sustentável da floresta (bom manejo florestal) é um processo que valoriza o uso da floresta como atividade permanente, e:
 
  • Supõe que das intervenções nos povoamentos se extrai madeira, outros produtos e serviços;
  •  A colheita de bens e serviços está dentro dos limites de produtividade do sistema, da capacidade de suporte e do seu nível de garantia das operações permanentes nos ecossistemas;
  • As operações de manejo são rentáveis de acordo com os critérios do ator que faz a gestão do manejo;
  •  Todos os atores afetados no processo participam da elaboração, execução, avaliação e distribuição dos custos e benefícios, das políticas e ações concretas de acordo com seus direitos e assumem, portando, responsabilidades;
  • É parte do desenvolvimento sustentável, portanto, não está dissociado das políticas de desenvolvimento nacional e dos setores relacionados e nem dos direitos das gerações futuras”

2. Vantagens do manejo florestal

 Amaral et al. (1998) apresentaram 7 razões principais para uma floresta ser manejada de forma sustentável:
 
a) Continuidade da produção: o manejo garante a produção de madeira em uma área de floresta por tempo indeterminado;
b) Rentabilidade: o manejo gera benefícios econômicos que superam os custos, principalmente em função do aumento da produtividade do trabalho e redução de desperdícios;
c) Segurança de trabalho: os riscos de acidente de trabalho são reduzidos a partir do momento que são atendidos os pressupostos do uso sustentável de um maciço florestal, quando comparado à exploração tradicional da floresta;
d) Respeito à lei: como o manejo florestal é obrigatório por lei, a sua não execução expõe as empresas a diversas penalidades;
e) Oportunidades de mercado: a exigência de certificação da madeira para atingir o mercado internacional de forma efetiva, faz com que as empresas que praticam manejo florestal tenham maior facilidade de acesso aos mercados, especialmente o europeu e o norte-americano;
f) Conservação florestal: a cobertura florestal é garantida através do manejo, mantendo a diversidade vegetal original e reduzindo impactos ambientais sobre a fauna quando comparado a exploração tradicional;
g) Serviços ambientais: florestas manejadas contribuem para o equilíbrio do clima regional e global, principalmente pela manutenção do ciclo hidrológico e pela retenção de carbono.
 
 
3. Plano de manejo florestal sustentável (PMFS)
 
De forma geral a operacionalização do manejo florestal, correspondendo à execução do plano de manejo, tem sido abordada em três grandes fases descritas a seguir: 
  • Fase pré-exploratória: varias ações precedem o manejo de uma área florestal desde a aprovação do plano ao planejamento do mesmo à projeção e demarcação da infra-estrutura. A implantação da infra-estrutura (vias de acesso, armazenamento e de escoamento da produção) busca reduzir custos operacionais e aumentar a segurança no tráfego de veículos além de melhorar a produtividade das máquinas no arraste e diminuir danos à floresta. Devem ser construídas de forma permanente possibilitando o uso em diferentes etapas da exploração (ROTTA, 2006).
  • Fase exploratória: a colheita da madeira representa a fase mais importante do ponto de vista econômico para as atividades florestais. Devido à participação no custo final do produto e aos riscos envolvidos (JACOVINE et al., 1997). A exploração florestal quando realizada de forma intensa e seletiva, sem planejamento na região Amazônica, transforma florestas com elevado estoque de madeira e valor comercial em áreas degradadas difíceis de serem recuperadas (PINTO et al., 2002). O planejamento e a execução da colheita, seguindo critérios técnicos, reduzem o impacto ambiental nos meios físico, biótico e antrópico além de proporcionar a redução dos custos totais da madeira. Contribuindo dessa forma para a sustentabilidade ambiental, econômica e social do plano de manejo florestal (SOUZA et al., 2004).
  • Fase pós-exploratória: consiste na manutenção das áreas de manejo através do o acompanhamento e avaliação do comportamento da floresta. Esta etapa tem por objetivo a identificação da necessidade de intervenção através de tratamentos silviculturais. Favorecendo árvores remanescentes e indivíduos de maior interesse econômico na floresta, o acompanhamento do crescimento da floresta e a definição do momento ideal para uma nova exploração (ciclo de corte). Também é avaliada a perda de madeira na floresta em função do traçamento incorreto e do abandono de toras além da proteção florestal orientada para o controle de incêndios (ROTTA, 2006). Áreas de florestas desmatadas e exploradas formam mosaicos propensos a incêndios, em função da crescente penetração da luz combinada ao acúmulo de resíduos inflamáveis originados na exploração (HOLDSWORTH & UHL, 1997; COCHRANE & SCHULZE, 1998; NEPSTAD et al. 1999). Estima-se que a ocorrência de fogo na área manejada provoca a morte de 45% das árvores remanescentes, destruindo também as mudas de espécies comerciais que possam ter sido plantadas. Comprometendo a regeneração natural e assim capacidade produtiva da floresta para os próximos ciclos de corte. A restrição à caça e pesca, invasões e atividades extrativas sem autorização legal é contemplada no controle florestal. A aplicação adequada das técnicas de manejo florestal sustentável garantirá no futuro novos ciclos de corte nos mesmos talhões (ROTTA, 2006).
              Um sistema de manejo envolve múltiplas atividades inter-relacionadas,
como os processos de colheita de produtos florestais madeireiros e não-madeireiros, os tratamentos silviculturais e o monitoramento da floresta remanescente, visando melhorar sua qualidade, produtividade e, sobretudo, perpetuá-la. A eficiência e sustentabilidade do manejo das florestas tropicais naturais estão associadas à qualidade das operações de colheita da floresta e dos tratamentos silviculturais, bem como à conservação da base de recursos florestais que lhes dão sustentações ecológica, econômica e social (SOUZA et al., 2004).
 
4. Aplicação PMFS
 
A aplicabilidade de um plano de manejo está relacionada diretamente ao conhecimento da composição florística, da estrutura fitossociológica e das distribuições diamétrica e espacial das espécies. É fundamental integrar esses conhecimentos para manejar a floresta para uma estrutura balanceada que possibilite harmonizar os conceitos de fitossociologia, produção sustentável de madeira e as regras impostas pela legislação florestal e ambiental. (MEYER, 1952; ADAMS e EK, 1974; CAMPOS et al., 1983; DAVIS e JOHNSON, 1987; GULDIN, 1991; LEAK, 1996; SCHULTE e BUONGIORNO, 1998; GOODBRURN e LORIMER, 1999; HITIMANA et al., 2004).
 
Os responsáveis pela colheita devem considerar o aspecto social da floresta e as práticas de regeneração, além da biodiversidade para que o manejo sustentável das florestas naturais se mostre passível de ser alcançado (ADLARD, 1993; LEE, 1993).
 
De forma geral as Unidades de Manejo Florestal, tecnicamente manejadas, vem adotando ações a partir da investigação ecológica e silvicultural como a extração de baixo impacto, parcelas permanentes, modelo de crescimento, ciclo de corte com base no crescimento diamétrico e corte de cipós. Assim o plano de manejo florestal transforma-se gradualmente numa ferramenta de manejo em substituição a um simples requisito oficial. Comunidades, indústrias e governos têm apresentado interesse crescente na promoção de sistemas florestais que incluam, além da exploração madeireira, produtos e benefícios derivados das florestas de forma a conservar os ecossistemas. O conceito de Manejo Florestal passa assim a resgatar a atividade do homem e das futuras gerações com base no desenvolvimento sustentável, indo além do fluxo contínuo de produtos através dos tempos (AZEVEDO, 2006).
 
5. Referências Bibliográficas:
 
  • ADAMS, D. M.; EK, A. R. Optimizing the management of uneven-aged forest stands. Canadian Journal of Forest Research, v. 4, n. 3, p. 274-287, 1974.
 
  • ADLARD,, P. G. Sustainability. The concept of sustainability as applied to tree planting. Oxford: SHELL/ WWF. Tree Plantation Review, 1993. 31 p. (Study, 5).
 
  • AMARAL, P.; VERÍSSIMO, A.; BARRETO, P.; VIDAL, E. Floresta para Sempre: um Manual para Produção de Madeira na Amazônia. Belém: Imazon, 1998. pp 130.
 
  • AZEVEDO, C.P.; Dinâmica de florestas submetidas a manejo na amazônia oriental: experimentação e simulação. Universidade Federal do Paraná. Tese de doutorado. CURITIBA, 2006. 254p.
 
  • CAMINO, R. Empezando a hacer diferencias. Consideraciones sobre el manejo de bosques naturales a escala industrial en el Trópico Americano. In: SABOGAL, C.; SILVA, J. N. M. (Eds). Manejo Integrado de Florestas Úmidas Neotropicaispor Industrias e Comunidades. Simpósio Internacional da IUFRO, Belém: Embrapa Amazônia Ocidental, 2002. p. 21 – 37.
 
  • CAMPOS, J. C. C.; RIBEIRO, J. C.; COUTO, L. Emprego da distribuição diamétrica na determinação da intensidade de corte em matas naturais submetidas ao sistema de seleção. Revista Árvore, v. 7, n. 2, p. 110-121, 1983.
 
  • COCHRANE, M. A.; SCHULZE, M. D. Forest fire in the Brazilian Amazon. Conservation Biology, v.12, n.5, p.948, Oct 2001.
 
  • DAVIS, L. S.; JOHNSON, K. N. Forest management. 3.ed. New York: McGraw-Hill, 1987. 790p.
 
  • GOODBRURN, J. M.; LORIMER, C. G. Population structure in old-growth and managed northern hardwoods: an examination of the balaced diameter distribution concept. Forest Ecology and Management, v. 118, n. 1-3, p. 11-29, 1999.
 
  • GULDIN, J. M. Uneven-aged BDq of regulation of Sierra Nevada mixed conifers. Westerm Journal of Applied Forestry, v.6, n.2, p.27-32, 1991.
 
  • HITIMANA, J.; KIYIAPI, J. L.; NJUNGE, J. T. Forest structure characteristics in disturbed and undisturbed sites of Mt. Elgon Moist Lowver Montane Forest, western Kenya. Forest Ecology and Management,v. 194, n. 1-3, p.269-291, 2004.
 
  • HOLDSWORTH, A. R.; UHL C. Fire in Amazonian selectively logged rain forest and the potential for fire reduction. Ecological Applications v.7, p. 713-725, 1997.
 
  • JACOVINE, L. A. G.; REZENDE, J. L. P.; LEITE, H. G.; TRINDADE, C. Reflexos da má qualidade na colheita florestal semi-mecanizada. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO SOBRE COLHEITA E TRANSPORTE FLORESTAL, 1997, Vitória. Anais... Vitória: Sociedade de Investigações Florestais, 1997. p. 296-308.
 
  • LEAK, W. B. Long-term strutuctural change in uneven-aged northerm hardwoods. Forest Science, v. 42, n. 2, p. 160-165, 1996.
 
  • LEE, S. A. Biodiversity. Manchester: SHELL/WWF. Tree Plantation Review, 1993. 34 p. (Study, 6).
 
  • MEYER, H. A. Structure, growth, and drain in balanced uneven-aged forests. Journal of Forestry, v. 50, n. 2, p. 85-92, 1952.
 
  • NEPSTAD, D. C.; VERÍSSIMO, A.; ALENCAR, A.; NOBRE, C.; LIMA, E.; LEFEBVRE, P.; SCHLESINGER, P.; POTTER, C.; MOUTINHO, P.; MENDOZA, E., COCHRANE, M.; BROOKS, V. Large-scale impoverishment of Amazonian forests by logging and fire. Nature v. 398, p. 505-508, 1999.
 
  • PINTO, A.C.M.; SOUZA, A.L.; SOUZA, A.P.; MACHADO, C.C.; MINETTE, L.J.; VALE, A.B. Análise de danos de colheita de madeira em floresta tropical úmida sob regime de manejo florestal sustentado na Amazônia Ocidental.Revista Árvore, Viçosa-MG, v.26, n.4, p.459-466, 2002.
 
  • ROTTA, G.W.; MICOL, L.; SANTOS, N.B. Manejo sustentável no portal da Amazônia um benefício econômico, social e ambiental. Alta Floresta: IMAZON, 2006. 24p.
 
  • SCHULTE, B. J.; BUONGIORNO, J. Effects of uneven-aged silviculture on the stand structure, species composition, and economic returns of loblolly pine stands. Forest Ecology and Management, v.111, n. 1, p. 83-101, 1998.
 
  • SOUZA, D.R.; SOUZA, A.L.; SILVA, M.L.; RODRIGUES, F.L. Ciclo de corte econômico ótimo em floresta ombrófila densa de terra firme sob manejo florestal sustentável, Amazônia Oriental. Revista Árvore, Viçosa-MG, v.28, n.5, p.681-689, 2004.
 
  • HUMMEL, A. C. Normas de acesso ao recurso florestal na Amazônia brasileira: O caso do manejo florestal madeireiro. Manaus, 2001, 83 f. Dissertação (Mestrado em Ciências de Florestas Tropicais) – INPA/UA.
 
 

Novidades do Site

ANÁLISE CONJUNTURAL: Quadro político instável adia reformas, mas há expectativas de melhorias para os negócios florestais. Saiba mais  clicando aqui.
 
Quer divulgar sua empresa ou está buscando uma empresa florestal?

Pensamento

Uma meta, sem um plano para chegar lá, nada mais é do que um simples desejo.
Antoine de Saint-Exupery

Vídeo

Bureau de Inteligência

Análise Conjuntural
Editais
Produções Técnicas

Patentes
Cartilha Florestal
Legislação



Publicidade

Mercado

Cotações
Câmbio
Mapa Empresarial


Enquete

Do ponto de vista técnico e operacional, qual é a melhor unidade para comercialização da madeira para carvão?

volume de madeira sólida (metro cúbico)
tonelada de madeira
metro estéreo ou metro de lenha
unidade ou peças de madeira

Receba no seu email

Análise Conjuntural

Estudo e análise de especialista sobre o mercado de florestas.

Newsletter

Receba as novidades do setor de florestas no seu email.

Nuvem de Tags


40634 visitas nesta página

Polo de Excelência em Florestas

Parceiros

AMS  |   ECOTECA DIGITAL  |   EMBRAPA FLORESTAS  |   EPAMIG  |   FAEMG  |   INTERSIND  |   LARF  |   MAIS FLORESTAS  |   MAPA  |   SEAPA  |   SEBRAE  |   SECTES  |   SEDE  |   SEMAD  |   SIF  |   UFLA  |   UFV  |   UFVJM  |   UNIFEMM  |  

Colaboradores

ACELERADORA DE  |   AGROBASE  |   AGROMUNDO  |   APABOR  |   BRACELPA  |   CIENTEC  |   FAPEMIG  |   FINEP  |   IEF  |   LATEKS  |   PAINEL FLORESTAL  |   TRATALIPTO  |   UFV JR. FLORESTAL  |  
Desenvolvido por Ronnan del Rey